Flexibilidade como fonte de calma interior

0

Nem sempre há uma maneira óbvia de deixar de lado nossos sentimentos inquietos e obter uma sensação de calma, especialmente quando muitos de nossos mecanismos normais de enfrentamento estão fora de questão. Eu queria fazer outra tomada e fui acompanhado no podcast por um especialista no assunto: Henry Emmons, psiquiatra clínico e autor de The Chemistry of Calm.

Eu estava curioso sobre como Henry vê a relação entre calma e ansiedade, especialmente em um momento em que o mundo está coletivamente tão longe no extremo da “ansiedade" do espectro. 

Curiosamente, Henry considera a calma como nosso estado natural. Ao mesmo tempo, ele reconhece que é absolutamente normal estar passando por algum nível de estresse ou ansiedade agora. Em sua essência, a crise do coronavírus é uma ameaça à sobrevivência, e estar alerta e em guarda é o que estamos programados biologicamente para fazer. 

Falamos muito neste podcast sobre as táticas que você pode adotar para encontrar a calma, incluindo relaxamento ativo, afastar-se do mundo digital e entrar no analógico e criar uma lista de gratidão.

Como Henry compartilhou, a flexibilidade é outra característica que ele viu ajudar as pessoas a passar por essas mudanças recentes no estilo de vida e alcançar uma sensação de calma. A flexibilidade e a abertura para se adaptar podem ser uma arma secreta contra o medo e a ansiedade, quer estejamos lidando com uma pandemia global ou uma situação estressante no escritório. É o que nos permite aceitar o que está acontecendo no mundo ao nosso redor, internalizar e processar essa realidade e usá-la para orientar as decisões da vida. 

Essa sensação de flexibilidade não se aplica apenas ao mundo externo – também afeta nossa mentalidade interna.

Ele nos oferece a capacidade de nos tratarmos com gentileza e sermos flexíveis com as expectativas que colocamos em nós mesmos, especialmente no contexto de nossa crise atual. Essa autoaceitação e gentileza podem nos ajudar a resistir à expectativa de que deveríamos estar trabalhando com 100% de produtividade, capazes de equilibrar o ensino em casa com videochamadas em equipe ou assar o pão perfeito. 

Henry vê a rigidez como inimiga da alegria e da calma. Ser gentil com nós mesmos não significa se contentar com a mediocridade e a estase. Em vez disso, nos fundamenta em uma mentalidade em que aceitamos onde estamos, quais podem ser nossas limitações atuais e como podemos avançar de forma realista. 

The Chemistry of Calm analisa como podemos usar uma série de táticas para reduzir a ansiedade. Aqui estão alguns dos outros tópicos que nossa conversa tocou:

  • Meditação como prática universal de autocuidado. Embora dê um pouco de trabalho para começar, um ritual de meditação pode nos ajudar a responder a situações estressantes de forma eficaz e com uma sensação de calma.
  • Veja este tempo como um retiro pessoal. Essa pandemia é uma pausa na vida normal e, para aqueles que têm a sorte de poder fazê-lo, podemos ver isso como uma chance de desacelerar e se reconectar com nossos entes queridos e o mundo ao nosso redor.
  • Temos muito a aprender com a natureza. Todas as outras espécies de plantas e animais reservam um tempo para descansar, se reagrupar e se recuperar – o oposto de nossa mentalidade de produtividade. Desacelerar pode ser uma coisa boa.

Um grande obrigado a Henry por se juntar a mim no show. Ele compartilhou muitos outros detalhes interessantes, e eles são realmente úteis para mudar a maneira como pensamos sobre calma e ansiedade, especialmente em um momento como este. Aproveite nossa conversa e cuide-se!

Fonte de gravação: alifeofproductivity.com

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar, se desejar. Aceitar Consulte Mais informação