FCC vai banir acordos obscuros de compartilhamento de receita entre ISPs e proprietários de apartamentos

0

Opinião do editor: Dois anos atrás, quando eu ainda morava em um apartamento, um representante da Spectrum veio à minha porta e me fez uma oferta de internet mais rápida a um preço menor do que eu estava pagando com Grande. Eu estava pronto para mudar de qualquer maneira porque o serviço de Grande estava bem abaixo da média. Alguns dias depois, após várias ligações com o atendimento ao cliente, descobri que não poderia trocar de operadora porque Grande tinha um contrato com os proprietários dos apartamentos.

Meu problema em mudar de empresa de cabo não foi único. Proprietários de várias unidades em todo o país têm bons acordos de participação nos lucros estabelecidos com empresas de TV a cabo. A prática sufoca a concorrência (onde existe), permitindo que os provedores cobrem dos inquilinos o que quiserem por um serviço abaixo do padrão. Em seguida, os proprietários recebem uma parte dos lucros. É uma configuração muito obscura.

Felizmente, a Comissão Federal de Comunicações (FCC) está intervindo para pôr fim a esses acordos viscosos. Em uma votação unânime de 4 a 0 na quinta-feira, a FCC reafirmou sua proibição de tais acordos. "Reafirmado" porque a Comissão proibiu há muito tempo esses "acordos queridos".

"A Comissão Federal de Comunicações há muito tempo proíbe os provedores de serviços de internet de entrar em acordos amorosos com os proprietários que garantem que eles são os únicos provedores no prédio", dizia a decisão declaratória. "Mas o registro neste processo deixou claro que nossas regras existentes não estão fazendo o suficiente e que podemos fazer mais para abrir a porta para provedores que desejam oferecer serviços competitivos em prédios de apartamentos."

A questão é: o que exatamente a Comissão fará para fazer cumprir esse "novo" mandato que não fazia antes? De acordo com a FCC, a redação desses contratos foi a brecha usada pelas empresas para contornar a proibição de exclusividade anterior.

Então, a primeira coisa que propõe é uma "repressão" a esses contratos. Os provedores ainda podem compartilhar a receita, mas estão proibidos de celebrar um contrato "exclusivo" com o proprietário. Outros provedores devem ter o mesmo acesso e oportunidade sem serem escritos por estipulações contratuais. Em uma tentativa de manter os jogadores em igualdade de condições, os provedores também não podem aumentar o corte do proprietário do imóvel à medida que mais inquilinos assinam o serviço.

A segunda chamada é para a transparência. Os prestadores de serviços terão de divulgar antecipadamente aos clientes se têm um acordo de marketing com os proprietários. Eles devem deixar claro que os inquilinos têm outras opções.

O último movimento é escorar outra brecha conhecida como "acordos de venda e locação". Essa farsa é onde um provedor de cabo vende ao proprietário a fiação de cabos para o prédio e depois a aluga de volta com exclusividade, excluindo empresas concorrentes.

"Todo americano deve ter acesso a serviços de comunicação modernos de alta qualidade e acessíveis – incluindo um terço que vive em prédios com várias unidades", disse o comissário Geoffrey Starks. "Por muito tempo, milhões de americanos que vivem e trabalham em ambientes multi-tenant enfrentaram barreiras para obter os melhores serviços e preços de comunicações. A decisão de hoje removerá alguns desses obstáculos ao proibir certos tipos de acordos de compartilhamento de receita, exigindo divulgação em linguagem simples de acordos de marketing exclusivos e proibindo a venda e locação de fiação interna dos edifícios".

Fonte de gravação: www.techspot.com

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar, se desejar. Aceitar Consulte Mais informação