O significado da tecnologia na evolução da tipografia

0

Desde a invenção do tipo móvel por Johannes Gutenberg no século XV, houve desenvolvimentos significativos no campo da tipografia. A tipografia, que já foi usada para estampar dinheiro real e selos, agora se tornou um dos elementos mais importantes para trabalhos complexos de design.

Graças à tecnologia, a introdução de APIs de fontes levou à redescoberta de como as fontes podem ser exibidas em dispositivos móveis para melhorar a experiência do usuário. Durante todas as fases do desenvolvimento da tipografia, a tecnologia certamente desempenhou um grande papel para sua melhoria e aceitabilidade entre os espectadores e usuários.

A ascensão da tipografia ocidental

Acredita-se que a tipografia ocidental começou a evoluir principalmente em meados do século 15, quando tipos de letra, fontes e tipos começaram a aparecer. Isso se deveu principalmente ao rápido crescimento da impressão de tipos móveis que abriu novas oportunidades de reprodução de textos para a cultura ocidental. Agora, você pode estar pensando, "o que diabos é impressão de tipo móvel?" Bem, a mobilidade do tipo refere-se a letras individuais de tamanhos diferentes que foram fundidas com a ajuda de um dispositivo inventado por Gutenberg. A reprodução do texto era extremamente simples, pois era necessário apenas para organizar as letras de metal em diferentes combinações para criar um texto significativo.

A caligrafia caligráfica que prevalecia naquela época começou a ser substituída pela moderna caligrafia gótica, que consistia em linhas diagonais e horizontais, linhas curvas delicadas e traços verticais pesados. Assim, as letras góticas tornaram-se a escolha preferida para esculpir blocos na época de Gutenberg. Mas, o melhor é que a evolução não parou e passou a se inspirar em várias outras formas de escrita. Os artesãos buscavam constantemente novas fontes de inspiração, como Bíblias da Idade das Trevas, inscrições romanas, etc., para criar novas formas de letras. Uma coisa importante a notar aqui é que a tecnologia inventada por Gutenberg já existia na Ásia alguns séculos atrás.

O que levou à necessidade de tipografia?

A tipografia já começava a se estabelecer como uma forma muito detalhada da criatividade humana. No entanto, a pergunta que vem à mente é: o que levou à necessidade de novas e variadas interpretações de pontuação, letras e números? Bem, pode-se concordar que a legibilidade tem algo a ver com isso. Depois que os humanos aprenderam a ler seus cérebros, não queriam mais entender letras isoladas. Eles começaram a ver as palavras na forma de formas ou, a combinação de diferentes formas.

O apelo estético foi considerado um dos outros motivos. Da mesma forma que um prédio não é feito de um só tipo de tijolo, uma palavra também não é feita de um só tipo de letra. O início do período do Renascimento pode ser amplamente contribuído para o fato de que a revolução da informação já havia criado uma faísca onde a mudança parecia inevitável. Lentamente, o tempo estava correndo em direção à era moderna. Surgiram moldes de fonte de madeira que raramente eram usados ​​para imprimir fontes grandes além das fontes que poderiam ser criadas pelos moldes de fonte de metal. A tecnologia foi melhorando e as chances da tipografia evoluir muito aumentaram consideravelmente. Durante a década de 1890, foi inventada a máquina de linotipo que tornou possível compor linhas de tipo de cada vez com a ajuda de um teclado composto por 90 caracteres. Este foi o primeiro passo para reduzir o esforço humano de organizar as letras manualmente. O bom é que os moldes de letras produzidos podiam ser usados ​​imediatamente. Além disso, também significava que os moldes de cartas poderiam ser produzidos continuamente e as pessoas poderiam acessar informações com mais facilidade e rapidez.

Durante os séculos XVII e XVIII, novas tendências começaram a aparecer, dando à tipografia uma melhor aparência e apelo estético. Maior contraste estava sendo dado às letras com traços finos e grossos enquanto as serifas entre colchetes se transformavam em linhas retas. A transição para os tipos de letra romanos foi evidente e muito crédito vai para Johann Fleischmann, John Baskerville e William Caslon, pois foram eles que fizeram contribuições notáveis ​​para essa transição.

Aperfeiçoamento e avanço adicionais da tipografia

Graças à revolução industrial, um rápido desenvolvimento começou a ocorrer e novas tecnologias e técnicas começaram a aparecer. A chegada da tecnologia de impressão ajudou muitos designers a criar diferentes tipos de fontes, o que ajudaria ainda mais na evolução da tipografia.

Então veio a época das máquinas de fotocomposição através das quais os personagens eram projetados em filme ou papel fotossensível e eram revelados com a ajuda de fotoquímicos. É bastante óbvio que essas tecnologias ofereciam um escopo limitado de crescimento, mas seu advento lançou as bases de um futuro brilhante para as artes gráficas. Na verdade, preparou uma base sólida para o tipo digital do mundo atual. Fontes totalmente escaláveis ​​poderiam ser produzidas com a ajuda dessas máquinas, o que não era possível com o tipo físico.

Desenvolvimentos semelhantes estavam ocorrendo no mundo da tecnologia da informação, onde o progresso estava sendo feito constantemente para a melhoria e avanço da tecnologia. Os sistemas de fotocomposição tornaram-se altamente populares e fabricantes como Mergenthaler/Linotype, Compugraphic, Alphatype, etc. lutam arduamente para capturar a participação no mercado. Mas o único problema era que essas máquinas eram muito caras e só podiam ser compradas por grandes corporações ou grandes empresas.

Hora de mudar

Dois homens, Charles “Chuck" Geschke e John Warnock, sonharam algo grande e fizeram o que haviam sonhado. No ano de 1982, esses dois homens formaram a ‘Adobe Systems'. Naquela época, ninguém poderia imaginar que sua contribuição para o mundo da tecnologia permaneceria imortal para sempre. Queriam resolver os problemas de uma forma diferente e a oportunidade bateu à sua porta. Steve Jobs, que na época trabalhava com a Canon para construir um software LaserWriter necessário que lhe permitisse vinculá-lo com o hardware do dispositivo. A Adobe deu a ele o software de que ele precisava – PostScript. Eles até criaram a tecnologia de dicas para o PostScript para que a aparência dos tipos pudesse ser melhorada na página. No entanto, a maior parte da história foi que a invenção do software PostScript permitiu que impressoras e computadores de diferentes fabricantes trabalhassem facilmente uns com os outros. A era das bibliotecas de fontes e sistemas tipográficos estava finalmente chegando ao fim. Ao licenciar designs de fontes novas e tradicionais, a Adobe conseguiu dominar o mundo da computação com seus produtos. A obtenção de licenças para vários estilos tipográficos de Linotype e Monotype os ajudou a levar adiante as convenções e a herança de tipos de letra mais antigos.

Esta foi a fase em que o mundo da tipografia começou a revolucionar e pode ser considerada a era de ouro da criação de tipos. Proporções e estilos que ainda são bastante prevalentes nos dias de hoje receberam mais refinamento e começaram a se popularizar entre os designers. Fontes tradicionais como San-Serif, Scripts, Slab, Serif, etc. foram introduzidas e se tornaram a base para fundições de fontes. A Adobe sabia o que eles tinham que fazer e seu software independente de dispositivo os ajudou a capturar rapidamente o mercado emergente de fontes. Geschke e Warnock entenderam que, para levar adiante o sucesso da publicação pessoal, eles precisavam de um grande tipo. Isso levou à negociação entre a International Typeface Corporation e a Adobe para incluir fontes em futuras versões do PostScript. Pedra de verão, um renomado tipógrafo foi contratado pela Adobe como Diretor de Tipografia. Isso ajudou ainda mais a Adobe a se tornar o distribuidor oficial de fontes para várias empresas em todo o mundo.

Os dias da tipografia moderna

Durante os primeiros dias dos sistemas de computador, os tipos de letra eram baseados principalmente em ASCII, consistindo em apenas 128 caracteres. Isso estava se mostrando uma limitação quando se tratava da venda de computadores. Era óbvio que os sistemas de computador exigiam um conjunto de caracteres universal para facilitar as coisas e abrir novas possibilidades. Isso levou ao início do conjunto de caracteres Unicode, que pode ser facilmente incorporado em aplicativos de várias camadas ou cliente-servidor, bem como em sites. Lentamente, as coisas começaram a tomar um novo rumo e a tipografia tornou-se um campo especializado. Com o crescimento da internet, o escopo de experimentar e introduzir novas fontes ampliou-se enormemente. A tecnologia estava constantemente desempenhando seu papel para melhorar e evoluir a tipografia de maneira que recebesse fácil aceitação e apreciação dos leitores e usuários.

No ano de 1995, o primeiro navegador Netscape foi lançado e isso criou a oportunidade de diversificar as fontes. Com o progresso gradual dos padrões da Web, a capacidade de personalizar e utilizar diferentes tipos de fontes da Web tornou-se muito mais fácil e conveniente. Além disso, venda e uso de pessoal; os computadores também se tornaram fáceis com o Unicode implantado no sistema. O mundo caminhava gradualmente para uma era em que a tecnologia se estabeleceria firmemente em todos os aspectos da vida humana. A tipografia começou a ter efeito no design gráfico e os designers começaram a infundir texto junto com gráficos para atrair e envolver os visitantes da web.

Ao longo das últimas décadas, inúmeras tecnologias e técnicas foram inventadas, o que ajudou ainda mais no crescimento e desenvolvimento da indústria de impressão e web. Nos tempos do HTML, os estilos e tipos de fonte exibidos dependiam totalmente das configurações de um navegador específico usado pelo usuário. No entanto, as coisas deram uma guinada drástica com a introdução de webfonts. Essas fontes são configuradas especificamente para funcionar em navegadores e permitem que os usuários façam uso de fontes que não estão instaladas em seus computadores. Na verdade, o crédito para esse recurso vai para o CSS, que ajuda a pesquisar fontes alternativas, mesmo que a fonte não esteja instalada no sistema.

Na era dos smartphones e tablets, os designers têm uma infinidade de opções quando se trata de escolher o tipo certo de tipografia. Com o contínuo crescimento e expansão da internet, a necessidade de fontes variadas e novas continua a aumentar. Com várias novas ferramentas disponíveis para os designers criarem uma nova fonte, as oportunidades de mostrar sua criatividade aumentaram muito. Depois de tantas transformações e desenvolvimentos, a tipografia evoluiu como uma forma de design e arte que está sendo cada vez mais usada por designers para expressar sua criatividade e paixão pela arte. Hoje em dia, também é possível ver designs sendo feitos simplesmente com vários tipos de fontes, criando um efeito impressionante.

É bastante claro a partir da discussão acima que a tipografia e a tecnologia têm andado de mãos dadas para um maior avanço e desenvolvimento. Desde os primórdios de sua invenção, a tipografia não apenas nos forneceu meios para comunicar nossas mensagens por meio da escrita, mas também criou uma nova forma de arte com infinitas possibilidades de evolução e crescimento. No entanto, é difícil imaginar qual teria sido o destino da tipografia se a tecnologia não estivesse ao seu lado o tempo todo. A tecnologia atuou como o meio pelo qual a tipografia poderia expressar sua verdadeira beleza e encanto para o mundo. À medida que os avanços tecnológicos continuam a envolver nossas vidas, é preciso ver como a tipografia evoluirá ainda mais nos próximos anos.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar, se desejar. Aceitar Consulte Mais informação