OnlyFans é processado por site rival por alegar que manipulou um banco de dados terrorista

0

WTF?! OnlyFans está sendo acusado em dois processos de sabotar as contas de mídia social de artistas adultos que trabalham para serviços rivais, colocando seu conteúdo em um banco de dados de terrorismo. O FanCentro, que oferece uma plataforma semelhante ao OF, está por trás de um dos processos, enquanto o outro é uma ação coletiva movida em nome de três artistas adultos.

A BBC relata que o FanCentro lançou uma ação legal na Flórida contra o proprietário do OnlyFans, Leonid Radvinsky, e a empresa que recebe os pagamentos do OnlyFans, Fenix ​​Internet LLC, em novembro, mas só foi relatado agora.

O processo alega que OnlyFans instruiu uma empresa de mídia social não identificada a sinalizar conteúdo de criadores adultos que promoveram plataformas rivais para que fossem adicionados ao banco de dados do Global Internet Forum to Counter Terrorism (GIFCT). A lista GIFCT foi fundada pelo Facebook, Microsoft, Twitter e YouTube com o objetivo de impedir que terroristas e extremistas violentos explorem plataformas digitais.

O FanCentro diz que isso resultou em alguns criadores vendo suas contas de mídia social, principalmente as do Instagram, serem encerradas ou banidas pela sombra. Como essas contas tinham links e promoviam o FanCentro, o tráfego para o site diminuiu. Ele também afirma que qualquer criador que promova seus perfis OnlyFans não foi segmentado.

Também é alegado que um ou mais funcionários da empresa de mídia social não identificada podem ter sido subornados para facilitar o esquema por representantes do OnlyFans.

O Facebook não é citado no processo, mas recebeu uma intimação para documentos internos pertinentes ao caso. A FanCentro está planejando intimar mais empresas, incluindo outras empresas de mídia social, para obter provas.

OnlyFans disse à BBC que a reivindicação legal “não tem mérito", e a controladora do Facebook, Meta, disse: “Essas alegações não têm mérito e vamos abordá-las no contexto do litígio, conforme necessário”.

Em agosto do ano passado, a OnlyFans anunciou que baniria conteúdo sexualmente explícito de sua plataforma, que, segundo ela, deveria atender às solicitações de parceiros bancários e provedores de pagamento. Ele logo reverteu a decisão, mas vários criadores já haviam saído para outros sites e não retornariam por temores de que uma proibição semelhante pudesse ser implementada no futuro.

Fonte de gravação: www.techspot.com

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar, se desejar. Aceitar Consulte Mais informação